Falar sobre sexualidade é essencial na educação para a saúde com vista a uma vida saudável em sociedade. A educação sexual em meio escolar é obrigatória por Lei. Assim, à semelhança do que acontece com todas as turmas de todos os estabelecimentos de ensino do território nacional, também os alunos do 12º ano do Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos abordaram a temática. Aos jovens alunos foi pedido para criarem um produto multimédia sobre a sexualidade. Começaram a pensar e a debater ideias. Uma ganhou vida…

“Todos nós, desde que nascemos até que morremos, precisamos de estar próximos de outras pessoas.

Mas o que significa estar próximo de outras pessoas? Significa que todos gostamos e sentimos a necessidade de receber carinhos, mimos, beijinhos e abraços, de nos sentirmos amados, protegidos e cuidados.

Quando somos bebés esta necessidade é maior. Até porque dependemos totalmente dos adultos para cuidar de nós.

Ao crescermos, a nossa dependência face aos outros diminui, vamos ficando mais independentes, ou seja, ganhamos pouco a pouco autonomia. Mas, ao mesmo tempo, vamos sentindo e descobrindo que gostamos não só de ser protegidos, cuidados e amados, mas que também gostamos de proteger, cuidar e amar.

Mas, Como vivem e sentem os alunos do Agrupamento de Escolas de Sampaio a Sexualidade?”

12º PI


O Bernardo Mata, o Carlos Catarino, o Filipe Alves e o Marco Pinto, alunos do 12ºC, do Curso de Cências e Tecnologias, após terem visto as entrevistas que os colegas realizaram, perceberam que, apesar das questões da sexualidade serem abordadas ao longo do percurso escolar, do jardim de infância ao secundário, muitos dos alunos têm vergonha ou receio de expor as suas dúvidas.

“Os jovens recorrem muitas vezes à Internet, aos amigos para obter esclarecimentos. Ou simplesmente calam-se e ficam com as dúvidas para si… E todos sabemos que a adolescência é uma fase complicada, em que nos confrontamos com questões difíceis e escolhas decisivas.

Foi por isso que os alunos pensaram em criar um espaço online que sirva de apoio para, anonimamente, os jovens poderem esclarecer as suas dúvidas. E eis que nasce o site Alguém como eu”, onde todos poderão pôr de lado as hesitações e fazer as perguntas.

Com um simples clique numa das páginas do siteDêem-me atenção! poderão, anonimamente, deixar as dúvidas, sugestões ou pedidos. Até porque a vossa dúvida é, certamente, a de muitos mais.

A adolescência é sem dúvida a fase das grandes questões e decisões: a amizade, a sexualidade, como lidar com os pais, a escola, a aparência, as capacidades e habilidades, a culpa versus vergonha, as novas experiências, e até… a tua saúde! As tuas escolhas poderão ser decisivas para o teu projeto de Vida!

Para dar uma resposta, a resposta certa, às dúvidas dos alunos, estabeleceu-se um contacto com as psicólogas Dra. Inês do Carmo, do Centro de Animação para a Infância da Cercizimbra; a Dra. Cristina Lopes, do serviço de saúde; a Enfermeira Ana Rosa, da ACES Arrábida,  e um parceiro do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências, o José Diogo. Todos colaboraram com o nosso Agrupamento e aceitaram fazer parte do projeto. Assim, todas as questões serão direcionadas e respondidas por eles.

Para terminar, não nos podemos esquecer de agradecer aos alunos de 10º ano do Curso Profissional de Marketing e Comunicação pela ajuda na criação do logótipo do site e à Mariana Freire do 8ºD por ter dado nome ao nosso projeto. Obrigado a todos! E estamos à espera da tua visita…”

Bernardo Mata, Carlos Catarino, Filipe Alves e Marco Pinto, 12ºC

About The Author

LOOKaes

Leave a Reply

Your email address will not be published.