O texto que aqui vos apresentamos foi escrito pela aluna Carolina Narciso, da turma F do 11.º ano, que se colocou na pele da Humanidade, cumprindo a mais alta vocação do Homem, que é pensar ou servir o coletivo sem deixar de ser ele próprio.

Inspirada pelo visionamento de um documentário intitulado Humans, no âmbito da disciplina de Filosofia, a jovem autora refletiu, com uma rara profundidade, sobre a nossa condição de seres criados num paraíso original, que depois escolheram viver num inferno existencial. Descreveu, de forma sentida e empática, as tremendas dicotomias que caracterizam as sociedades humanas, capazes das mais altas aspirações e dos mais diabólicos cometimentos, mas sempre prontas para um novo recomeço, um novo dia que nasce depois da terrível noite dos tempos, em que o caos ameaçava tomar conta da terra e destruir tudo aquilo em que acreditávamos.

É assim a Humanidade, assim sou eu e assim és tu. Somos aqueles paradoxos vivos que procuram decifrar a aventura da vida em que um mistério maior nos colocou. Que mistério é esse ninguém sabe ao certo, mas todos opinam, mesmo que de relance.

O LOOKaes convida-vos a ver e ouvir um pouco desse mistério ao sabor das palavras de Carolina Narciso, cuja inspiração, beleza e lucidez agradecemos do fundo do coração. Um louvor também à professora Clara Amorim, que orientou o trabalho e o propôs ao jornal escolar.

About The Author

LOOKaes

Leave a Reply

Your email address will not be published.